Transformação Digital no RH

O que a transformação digital pode fazer pela área de RH.

Nada tira mais o sono e a energia dos gestores de RH do que os processos manuais e a morosidade que ainda persiste nas áreas de recursos humanos das empresas. Mais do que tirar o sono, esses aspectos analógicos minam a produtividade e a competitividade das organizações. 

Segundo o relatório de tendências em RH, da Docusign, processos desatualizados e árduos atrasam várias funções de RH. Para chegar a esse cenário, a Docusign pesquisou 1.068 tomadores de decisão de RH durante novembro de 2020, de dez países distribuídos por cinco continentes.

Sob uma perspectiva global, quando questionados sobre quais áreas específicas mais os atrasam, as equipes de RH apontam a papelada manual (44%), a revisão e esclarecimento de respostas de funcionários (33%), a entrada de dados (31%) e a obtenção de assinaturas (31%) como alguns dos principais culpados.
Dentre as empresas brasileiras, os entrevistados destacaram a papelada manual (44%), a revisão e esclarecimento de respostas de funcionários (38%), revisão de riscos e conformidade (35%) e a entrada de dados (32%), aponta o relatório.

Tecnologias no RH

Fonte: relatório de tendências em RH, da Docusign

“Durante a admissão, por exemplo, um funcionário novo fala em média com seis pessoas diferentes dentro da empresa, antes de conseguir começar a trabalhar”, afirma Marcelo Nóbrega, executivo de recursos humanos e investidor de HR Techs.

“Isso pode até ser ótimo como experiência para o funcionário, mas é um problema para as empresas”, pondera o especialista. 

Segundo a pesquisa “Tendências Globais de Capital Humano”, de 2019, da Deloitte, realizada com 10 mil líderes de RH, 73% deles consideram a temática RH Digital como algo importante ou muito importante. 

O levantamento também indica que 56% das empresas estão redesenhando seus programas de RH para aproveitar melhor as ferramentas digitais.

Tecnologias para quase todos os processo

Há muito por fazer e há oportunidades que ainda não foram devidamente abraçadas pela área, mas que podem ajudar as empresas a sair do estágio atual. Existe tecnologia para melhorar praticamente todos os processos de Recursos Humanos e promover mudanças significativas relacionadas à gestão de pessoas. 

Para Luiz Drouet, a transformação digital tem facilitado a atuação das equipes de RH de duas formas: 1) Digitalizando e automatizando processos burocráticos, que reduzem o esforço operacional e aumentam a agilidade e qualidade das entregas; 2) Trazendo mais dados e inteligência para a tomada de decisões envolvendo pessoas, como a prática do people analytics, por exemplo, na qual a análise dos dados tira a subjetividade da discussão sobre pessoas e contribui com análise de períodos anteriores, atuais e inclusive com projeções do futuro.

Dentre os processos burocráticos do RH, a contratação e a integração estão prontas para a automação. Pelo menos é o que revela o relatório da Docusign.
Quase metade das entrevistadas diz que a contratação tem a prioridade mais alta para automação, seguida pela integração (44% no total, 61% no Brasil), que envolve acionar automaticamente a preparação para inscrição, folha de pagamento e outras funções.

O planejamento de desempenho, que consiste em um cronograma gerado automaticamente para rastrear e organizar as avaliações dos funcionários, completa as três principais prioridades para automação na escala global. 

Porém, nesse último aspecto, empresas brasileiras indicam que a terceira prioridade em território brasileiro é atribuída em empate aos processos de promoções, demissões e dispensas.

Benefícios

Com a transformação digital, o RH passa a trabalhar de maneira mais estratégica. Tarefas como a análise de dados, definição de objetivos e novas estratégias para o futuro, além das atividades repetitivas – como parte dos processos de recrutamento e seleção, por exemplo – passam a ser automatizadas. Além do mais, processos complexos de responsabilidade do RH passam a ser mais precisos com a transformação digital. 

“Com a diminuição de erros e da ocorrência de problemas, toda a empresa ganha, já que o clima de trabalho tende a melhorar e, consequentemente, eleva-se o engajamento dos profissionais na realização de suas tarefas”, afirma José Carlos Figueira, diretor da Energy People, empresa provedora de serviços que abrange todas as funções estratégicas e operacionais de RH.

“O RH vive muito no dia a dia, apagando incêndios, e às vezes é o patinho feio das empresas, que recebe os últimos investimentos. Falta visão de negócio, planejamento de atividades, padronização, rotina e sistemas”, diz Marcelo Nóbrega. 

Para José Carlos, quando o RH passa a trabalhar com dados mais precisos, a tomada de decisão se torna mais assertiva e os recursos são alocados de maneira estratégica. 

Não por acaso, quando se fala de Recursos Humanos, estamos colocando as pessoas no centro do processo. Afinal, não se faz transformação digital sem o envolvimento das pessoas e sem que elas se sintam reconhecidas e integradas ao processo. 

Segundo o relatório da Docusign, melhorar a satisfação dos funcionários liderou entre as prioridades (60%), seguida do desenvolvimento de talentos (56%), adoção de novas tecnologias (53%) e atração de talentos (51%).

Por outro lado, como usuários da tecnologia, os profissionais também precisam estar atentos à movimentação da empresa. “A transformação digital exige preparo por parte dos colaboradores e cria uma série de oportunidades interessantes de carreira”, diz José Carlos.

Acelerando o RH!

O diretor da ABRH-SP, Luiz Drouet, afirma que é difícil encontrar uma área do RH que não conte com uma solução tecnológica e, ainda que essas soluções envolvam investimentos, a boa notícia é que elas vêm se tornando cada vez mais acessíveis também para pequenas e médias empresas.

“No centro dessa transformação estão principalmente a internet das coisas, a armazenagem em nuvem e a inteligência artificial”, explica Marcelo Nóbrega.
“A internet das coisas permite que a gente colete uma imensidão de dados, que estarão armazenados na nuvem e que serão mais facilmente processados pela inteligência artificial. Os dados nos dão informação para tomarmos decisões mais inteligentes”, diz o especialista. 

Marcelo afirma ainda, que a tecnologia está disponível para fazer recrutamento e seleção, ajudar a escolher os melhores candidatos, fazer o onboarding de novos candidatos, fazer a gestão de desempenho, assessment, treinamento, enfim, um cardápio ilimitado de possibilidades de melhoria e agilidade de processos.

A tecnologia pode ajudar a medir engajamento, controle de ponto com reconhecimento facial e admissão de funcionários com todas as etapas eletrônicas: o próprio funcionário tira foto dos seus documentos, sobe na nuvem, o sistema faz a checagem e ele só entra na folha se estiver tudo certinho”, conta. Isso elimina um trabalho operacional brutal, e o mesmo ocorre na demissão de pessoas. A tecnologia apoia ainda na gestão de cultura do engajamento do funcionário. 

O reconhecimento facial pode ser utilizado, por exemplo, para pesquisa de clima. “Isso significa que as pessoas não vão responder à pesquisa em um determinado dia. Mas através de reconhecimento facial eu consigo ter o diagnóstico de clima de forma instantânea, por meio da captação das emoções dos funcionários, num determinado momento”, afirma Marcelo. Ou seja, a pesquisa de clima passa a ser instantânea e pode dar resposta em tempo real.

Desafios e a necessária Transformação Digital no RH

Com as mudanças recentes no mundo do trabalho, aceleradas pela pandemia, o RH está diante de alguns desafios, e deve contar com a tecnologia como aliada para lidar com eles, como explica Marcelo Nóbrega. 

Um deles é ter que lidar com a longevidade das pessoas, que faz com que o ambiente de trabalho seja diverso, em termos geracionais e culturais.
Outro desafio é o uso da tecnologia para trabalhar de qualquer lugar, algo que está impactando profundamente a cultura das empresas. As baias deram lugar à casa das pessoas, e foi a tecnologia que permitiu isso. 

Outra mudança no mundo do trabalho diz respeito ao crescimento da gig economy, economia alternativa que consiste em projetos temporários e, nos Estados Unidos, já representa entre 30% e 40% da força de trabalho. 

Tudo isso impacta profundamente a cultura das empresas e o employee experience, ou seja, o fato de ter o colaborador como foco central das decisões tomadas pelos Recursos Humanos. 

Isso porque, se o empregado não vai mais todos os dias para o mesmo local de trabalho, a tecnologia pode ajudar a trazer a cultura organizacional para o dia a dia dos colaboradores

Graças à tecnologia e ao trabalho remoto, também é possível contratar pessoas de qualquer lugar do mundo. É o fim das barreiras geográficas, e isso dá às empresas maior poder de escolha e assertividade em função do perfil e do projeto. 

“Duas a cada cinco organizações citam como tendências principais: a necessidade do uso de tecnologia moderna para atrair as gerações de trabalhadores mais jovens e de agilidade na contratação, bem como o preenchimento das lacunas de competências na força de trabalho.”
Fonte: relatório de tendências em RH, da Docusign

People Analytics

A ideia de big data, decorrente do conceito de People Analytics, promove a coleta e análise de dados voltada para a gestão de pessoas nas empresas.
“People Analytics pode ser usado para dados de rotatividade, absenteísmo, utilização do plano de saúde, avaliação de performance, horário de chegada, engajamento, turnover e uma série de outras informações que revelam os desafios e dilemas das empresas”, acredita Marcelo Nóbrega. 

Aos poucos se adaptando aos efeitos da pandemia e retomando a nova normalidade, gestores de RH devem encarar o novo e híbrido mundo do trabalho. Não restam dúvidas de que essa adaptação passa obrigatoriamente pela inserção da tecnologia que possibilita às equipes de RH atingirem suas metas. 

A tecnologia será fundamental para atingir as metas de RH, tanto no curto como no longo prazo. As equipes já estão buscando tecnologia para economizar tempo (57%), reduzir erros (55%), melhorar a experiência dos funcionários (51%) e resolver outros problemas.

Fonte: relatório de tendências em RH, da Docusign

A Quality Way tem grande expertise na implantação de tecnologias para áreas de Recursos Humanos, em função disso, criou um Programa de Aceleração Digital para o RH que pode auxiliar sua empresa. Fale conosco!

Assuntos Relacionados